18.03.09

Passa por nós um vendaval furioso. Se vem integrado nos "apregoados ventos da história" ou é uma tempestade para fustigar esta velha nação já cansada de enfrentar vagas? Não se sabe.

Não vale a pena agora averiguar o que aconteceu. Aconteceu e na furia do vento canalizado pela ingenuidade de alguns opinion-makers, mas soprado pelos piores inimigos de Portugal e ao mesmo tempo de todos nós, e mais uma vez se foram mais uns trastes velhos do antigo solar e herança de muitas gerações.

A realidade acertou-nos como um soco no estômago, deixou-nos completamente arruinados, entre destroços do imobiliario e os cacos de uma sociedade egoista, numa casa sem portas nem janelas, à mercê de outros ventos, casamentos, chuvas e trovões.

Mas alguns de nós não se resignam, nem se deixam abater com obstáculos, por enormes que sejam as tormentas, alguns de nós teimam em transformá-las em "Boas Esperanças". Para isso temos que apurar o nosso instinto de sobrevivência, e para isso todos nós sabemos que a primeira coisa a fazer é, arrumar a casa...

Como se arruma a casa? No tempo da minha avó, era à paulada, uns bons tabefes chegavam para pôr a casa na ordem, hoje em dia é mais dificil, há uma serie de leis que protegem quem desarruma a casa a nossa e a deles...Usando a força e a frugilidade dos náufragos que têm que lutar constantemente contra as vagas e não sabem quantos dias terão de chegar as suas escassas provisões, temos que desde já olhar em frente e lutar como um só... um povo que sempre enfrentou e enfrenta as vagas de frente, que não teme nada nem niguem... E lembrarmo-nos de Alvares Pereira, Martin Moniz, Afonso Henriques, Marquês de Pombal, e de todos os outros que acharem que merecem ser lembrados, pois só grandes portugueses é que fazem outros grandes portugueses...

Temos que ter em Portugal um HOMEM honesto, corajoso, inteligente e de bom senso que aceite o pesado encargo de encaminhar esta que foi a mais bela das caravelas e está agora transformada numa jangada de náufragos, num caminho variável, ou seja para o trabalho na ordem e para a liberdade em segurança.

Sim porque Portugal é uma jangada frágil, desunida, quase desmantelada, e é necessário aguentar com todas as forças para não naufragar, quando todos já percebemos que o "Comandante" eleito não é capaz de o fazer. Só resta aos tripulantes o motim nas proximas eleições.

Europeias, Legislativas, Autarquicas, vejam nos gráficos da história quando é que o país avançou, quem estava ao seu leme... e pensem... pensem para que lado devemos virar para não naufragarmos.

 

música: Paz, Pão, Povo e Liberdade
publicado por morgadexsedlex às 22:33

mais sobre mim
Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


arquivos
2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


pesquisar
 
blogs SAPO